artigos
Convibra Conference - A Implantação do Controle de Qualidade Clínico em Exames de Mamografia: Desafios Para os Profissionais e Gestores
A Implantação do Controle de Qualidade Clínico em Exames de Mamografia: Desafios Para os Profissionais e Gestores

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Gestão de serviços de saúde

Temas Correlatos: Gestão de serviços de saúde;

Acessos neste artigo: 72


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Izabel Cristina Dell Antônio Piva , Geórgia Gonçalves , Juliana Almeida Coelho De Melo

ABSTRACT
Introdução: A mamografia é o padrão ouro para diagnóstico de câncer de mama, um bom posicionamento garante um diagnóstico mais preciso, sendo na maioria das vezes um grande desafio para as profissionais das técnicas radiológicas. A implantação de um programa de controle de qualidade clínico ajuda a criar estratégias para minimizar as não conformidades causadas por erros de posicionamento. Objetivo: Analisar como ocorreu a implantação do controle de qualidade clínico em mamografia e quais foram os resultados referente ao posicionamento no período de 2014 a 2016. Metodologia: Tratou-se de uma abordagem mista de natureza aplicada. Os dados foram coletados no período de fevereiro a abril de 2019, no banco de dados do serviço de radiodiagnóstico e por meio de uma entrevista com a coordenadora do serviço e o médico radiologista. Resultados: Desde a implantação do programa de controle de qualidade clínico foram encontrados diversos desafios, como mudar a cultura de posicionamento, critérios de autoavaliação, mas o principal desafio dos profissionais e gestores é manter o padrão de qualidade das imagens mamográficas. No período de 2014 a 2016 foram avaliados 8.500 exames de mamografia e encontradas 13.827 não conformidades, distribuídas entre as incidências: crânio caudal e médio lateral oblíqua. As não conformidades mais evidenciadas são relativas a ausência do músculo peitoral maior na incidência crânio caudal com maior número de erros, estando presente em 65,6% das imagens mamográficas. Em seguida o músculo peitoral na altura do mamilo com 32,7% e músculo peitoral contraído com 21,7% na incidência mediolateral oblíqua. Conclusão: O programa de controle de qualidade clínico é uma ótima estratégia para identificar erros rotineiros visando um diagnóstico mais preciso. Com capacitação contínua dos profissionais das técnicas radiológicas o programa pode ser ainda mais eficaz.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Cristina Sabbo Da Costa 22-11-2022 09:22:58

Sempre que se propõem a melhoria da qualidade dos serviços de saúde é causa de muita atenção e prioridade. Os serviços são escassos e precários, esta avaliação tem rica contribuição a sociedade.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.