artigos
Convibra Conference - O Impacto da Covid-19 na Saúde de Servidores de Uma Universidade Pública: Um Estudo Comparativo
O Impacto da Covid-19 na Saúde de Servidores de Uma Universidade Pública: Um Estudo Comparativo

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Gestão da Promoção e Marketing da Saúde

Temas Correlatos: Gestão da Promoção e Marketing da Saúde;

Acessos neste artigo: 60


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Amanda Krishna Pinheiro Gonçalves , Priscila Da Silva Antonio , Everaldo José Da Silva , Pollyanna Salles Rodrigues , Lázara Maria Da Silva , Renata Valero Barbosa Franco

ABSTRACT
Objetivo: identificar as principais doenças infecciosas e parasitárias responsáveis pelas licenças
médicas entre servidores da Fundação Universidade de Brasília durante os anos de 2019, 2020
e 2021. Método: Estudo quantitativo, descritivo, retrospectivo, por meio de análise documental de
relatórios epidemiológicos emitidos pelo Decanato de Gestão de Pessoas (DGP) da Universidade de
Brasília (UnB), disponibilizados no site da Universidade. Foram levantadas as licenças médicas por
doenças infecciosas e parasitárias dos servidores da UnB, no período de janeiro a dezembro dos
anos 2019 a 2021. Resultados: Tratando de afastamentos para tratamento de doenças infecciosas e
parasitárias, em 2019, 5,5% (187) dos servidores foram licenciados (1.106 dias de afastamentos). No
ano de 2020, 10,4% (181) servidores foram licenciados, (1914 dias de afastamentos). Quanto ao ano de
2021, 9,75% (149) dos servidores foram licenciados (1.119 dias de afastamento). Dentre as causas dos
afastamentos por doenças infecciosas e parasitárias, conforme a Classificação Internacional de Doenças
(CID-10), o mais recorrente nos respectivos anos foram: 2019 – Diarreia e gastroenterite de origem
infecciosa presumível, 2020 – Infecção por coronavírus de localização não especificada, 2021 - Infecção
por coronavírus de localização não especificada. Conclusão: Observa-se uma mudança significativa nas
licenças médicas para tratamento de doenças infecciosas e parasitárias a partir do surgimento da COVID-
19. No ano de 2019, as doenças que mais demandaram dias de afastamento foram diarreia /gastroenterite
e dengue, os quais juntas, responderam a 809 dias de licenças. Comparativamente aos anos de 2020 e
2021 a infecção por coronavírus foi responsável 2643 dias de licenças.
Descritores: Doenças Ocupacionais, Licença Médica, Servidores públicos

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Cristina Sabbo Da Costa 22-11-2022 09:20:17

Trabalho interessante. Pode-se agregar outras avaliações sobre o impacto do COVID19 na produção de afastamentos ao trabalho de outras regiões para se obter um comparativo, seria bem oportuno.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.