artigos
Convibra Conference - As vicissitudes da constituição subjetiva de uma criança surda
As vicissitudes da constituição subjetiva de uma criança surda

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Infância, juventude e diversidade

Temas Correlatos: Educação especial e educação inclusiva;

Acessos neste artigo: 68


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE ESTE TRABALHO

AUTORIA

Lilian Cristine Ribeiro Nascimento

ABSTRACT
Este trabalho é um recorte de uma pesquisa cujo objetivo foi analisar as vicissitudes da constituição subjetiva das crianças surdas filhas de pais ouvintes. No processo de tornar-se sujeito de uma criança surda cujos tutores parentais são ouvintes parecer haver um embargo na construção dos laços simbólicos, uma vez que os pais não podem legar à criança a língua materna. O título aponta para a subjetividade de “uma criança surda”, no entanto não se trata de uma criança em questão. A escolha pelo termo “uma criança” pretende mostrar que, embora haja convergências entre as narrativas analisadas na pesquisa, para a psicanálise não há o reiterável, trata-se sempre do singular, na clínica ou na pesquisa. Cada criança surda vive uma experiência única, envolvida por uma história familiar que a constitui sujeito. A pesquisa, baseada em estudo de caso, entrevistou 7 adultos ouvintes, pais de crianças surdas profundas, que não desenvolveram a oralidade como forma principal de comunicação. Foi possível verificar que apesar da precariedade da comunicação gestual utilizada na família antes da aquisição da língua de sinais, ocorre a inserção da criança surda no simbólico. Esta inserção é feita de modo precário, visto que os sinais caseiros servem somente às necessidades básicas. A impossibilidade de dizer-se, de simbolizar seu desejo, promove um desordenamento pulsional. Quando os pais decidem pela inserção da criança na língua de sinais, ocorre um apaziguamento da criança, não só porque a comunicação se tornou possível, mas porque a criança pode dizer-se. A pesquisa evidenciou que a entrada em uma escola que adote uma abordagem de educação bilíngue para surdos proporciona às crianças e aos pais uma língua plena de significação, a língua de sinais. A língua de sinais permite a comunicação efetiva entre pais e filhos, além de fortalecer nos pais a percepção de normalidade de seus filhos, reparando a ferida narcísica causada pelo impacto do diagnóstico da surdez. 

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Marianna Da Gama E Silva 13-11-2021 15:13:38

Ola Lilian, estamos na mesma mesa e estou bastante interessada em aprender sobre a tematica que me é ainda desconhecida. Interessante pensar que a inserção no simbolico e a entrada na linguagem nao se faz pela ''voz'' . Obrigada

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do site de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.